5 Mulheres Incríveis na Literatura

242

Dia 08 de março é o Dia Internacional da Mulher. O dia foi escolhido para lembrar da luta das mulheres por direitos iguais.

Essa data foi escolhida por conta de uma greve feita por trabalhadoras de uma fábrica têxtil em 1857, que exigiam melhores condições de trabalho e igualdades de direitos trabalhistas para as mulheres. Diversas outras manifestações por direitos femininos também marcaram a história, por isso em 1910, em uma conferência na Dinamarca, foi decidido que esse dia passaria a ser o “Dia Internacional da Mulher”, homenageando os movimentos pelos direitos delas.

Então hoje, nós celebramos as conquistas políticas, econômicas e sociais das mulheres que, ao longo dos anos, lutaram por seus direitos e espaços. E como a mulher tem atuado com maestria em todos os meios que escolhe participar, na literatura não seria diferente. No meio literário temos autoras extraordinárias que empoderaram a si e a muitas outras mulheres no mundo, e merecem todas as homenagens.

Autoras essas que merecem ser lidas e conhecidas pelo mundo inteiro! Resolvi apresentar a vocês cinco dessas escritoras (de vários gêneros) que precisam ser conhecidas. No blog da Companhia das Letras você pode conferir outras escritoras tão talentosas quanto. Clique aqui para conferir.

5 Mulheres Incríveis na Literatura

1 – Caitlin Moran

A romancista e jornalista britânica Caitlin Moran é uma autora para agradar a quem gosta de ficção e não ficção. Em 2012, o selo Paralela publicou no Brasil Como ser mulher, um divertido manifesto feminista onde Moran relata suas experiências como mulher, da infância até a vida adulta, e discute temas importantes para a mulher moderna, mostrando que nunca houve época melhor para ser mulher, mas ainda temos muitos desafios a ser enfrentados. Três anos depois, a Companhia das Letras lançou Do que é feita uma garota, uma espécie de “romance de formação” de uma adolescente britânica lidando com sua família, as descobertas sexuais e também as descobertas do que é ser mulher. Com seu humor, Caitlin Moran consegue falar de forma leve sobre temas tão difíceis, às vezes, de abordar.

 

2 – E. Lockhart

As personagens de E. Lockhart são garotas que todas as meninas e mulheres deveriam conhecer. Em seu primeiro livro publicado pela Seguinte, O histórico infame de Frankie Landau-Banks, conhecemos a história de uma garota que não se conforma em ficar de fora de uma sociedade secreta formada só por garotos. Enquanto fala sobre mudanças no corpo, amizade e amor, Lockhart também levanta discussões sobre gênero e poder. Uma daquelas histórias para mostrar que as mulheres (meninas, adolescentes e adultas) são capazes de fazer o que quiserem. Da autora, a Seguinte também publicou Mentirosos, um suspense moderno e sofisticado narrado por Cadence, uma garota que sofreu um misterioso acidente e deve tentar recuperar as memórias para entender o que aconteceu com ela e sua família. E, por último, Fraude legítima, onde uma série de mortes e eventos estranhos deixa todos em dúvida sobre o que duas garotas são capazes de fazer.

 

3 – Lygia Fagundes Telles

Com quinze obras lançadas pela Companhia das Letras, como os livros As meninas e Antes do baile verde, Lygia Fagundes Telles é considerada pela crítica – e pelos leitores – uma das mais importantes escritoras brasileiras. Nascida em 1923, em São Paulo, Lygia começou a publicar ainda na adolescência, com o livro de contos Porão e sobrado (1938). Antes de se dedicar exclusivamente à literatura, estudou direito e educação física. Foi eleita para a Academia Brasileira de Letras em 1985 e em 2005 recebeu o Prêmio Camões, o mais importante da literatura de língua portuguesa. Sua obra aborda temas clássicos e universais como a morte, o amor, o medo e a loucura. Leitura mais que recomendada para todos.

 

4 – Martha Batalha

Uma das novas autoras da literatura brasileira que merecem ser lidas é Martha Batalha. A autora de A vida invisível de Eurídice Gusmão nasceu em Recife, mas cresceu no Rio de Janeiro, e atualmente vive nos Estados Unidos. Em Nova York, completou o mestrado em Publishing da New York University e recebeu a maior distinção do curso, a Oscar Dystel Fellowship. Mas Batalha deixou de lado sua carreira no mercado editorial para se dedicar à escrita, e daí veio seu livro de estreia. A vida invisível de Eurídice Gusmão foi vendido para dez países antes mesmo de sair no Brasil, e acompanha a história das irmãs Gusmão no Rio de Janeiro dos anos 1940. Enquanto Eurídice se esforça para ser a dona de casa e esposa perfeita, Guida desaparece de casa sem deixar notícias. Capaz de falar de temas como violência, marginalização e injustiça com humor, perspicácia e ironia, Marta Batalha é acima de tudo uma excelente contadora de histórias. A autora também prepara um novo romance, Nunca houve um castelo, que deve chegar às livrarias ainda no primeiro semestre de 2018.

 

5 – Svetlana Aleksiévitch

Em 2015, Svetlana Aleksiévitch ganhou o Nobel de Literatura pelos seus relatos emocionantes e chocantes, que transitam entre o jornalismo e a história oral. Nascida na Ucrânia em 1948, ela se especializou em ouvir e observar, deixando o relato dos fatos a cargo de seus próprios entrevistados. É com sensibilidade que ela conta os horrores do acidente nuclear de Tchernóbil em Vozes de Tchernóbil; que revela detalhes nunca antes imaginados da Segunda Guerra Mundial em A guerra não tem rosto de mulher; e dá voz a pessoas comuns em O fim do homem soviético.

 

Total 1 Votes
0

Tell us how can we improve this post?

+ = Verify Human or Spambot ?

About The Author

Nerd, Geek, viciada em livros, youtuber, aspirante a jornalista, apaixonada por animais e nas horas vagas tenta ser engraçadinha.