A Casa dos Budas Ditosos de João Ubaldo Ribeiro (Resenha)

428

Uma história criada para desconstruir conceitos, para incomodar e para fazer-nos pensar até onde é válido viver preso ao que a sociedade nos impõe.

Sinopse

Ao receber, segundo afirma, um pacote com a transcrição datilografada de várias fitas, gravadas por uma misteriosa mulher, o escritor João Ubaldo Ribeiro não podia imaginar o que o esperava.

E o inocente leitor, que sequer pode suspeitar o que o aguarda em cada uma das páginas deste livro. Nelas se conta uma vida. E a suposta autora teria enviado seu testemunho para que fosse utilizado para o volume sobre a luxúria da Coleção Plenos Pecados.

O escritor aceitou o oferecimento e o resultado final está agora diante de você. Que deve preparar-se para um relato pouco comum, às vezes chocante, às vezes irônico, sempre instigante. Na verdade, dificilmente a ficção poderia alcançar os limites do que a devassa senhora viveu e narra em detalhes riquíssimos.

Se o leitor tem alguma dúvida, ela logo se dissipará, neste fascinante mergulho na vida espantosa de uma mulher sem dúvida excepcional, cuja narrativa alcança as dimensões de um retrato sociológico de toda uma cultura e uma geração, envolvendo um dos pecados mais indomáveis, e capitais. A luxúria.

Link: Skoob | Comprar: SaraivaSubmarinoAmazon

Resenha

Já faz um tempo que eu queria ler esse livro. Creio que um pouco mais de 2 anos; desde que um amigo me recomendou veementemente essa leitura e só agora consegui encaixá-la em minha lista. Criei grandes expectativas com o livro e a leitura não foi bem como eu esperava. Isso não quer dizer que foi uma leitura ruim, só foi diferente do que imaginei.

Os clássicos eróticos são bem diferentes daquilo que encontramos hoje em dia no mercado. A estrutura de texto é diferente, o rumo das coisas é diferente, mas os clássicos tem aquela coisa de quebra de tabus, de provocar a sociedade, de atingir o público (da época em que foi lançado) de uma maneira a incomodar e tentar desmistificar as coisas. A casa dos budas ditosos é o típico livro que veio para incomodar e quebrar tabus.

A narrativa é em primeira pessoa e segundo o autor, ele recebeu o texto já pronto, de uma pessoa anônima, uma mulher de 68 anos que narra nessas linhas as suas experiências sexuais. Não, o livro não se trata apenas de sexo, na verdade ele tem um sentido bem mais profundo e isso nós encontramos nas entrelinhas. Essa narrativa em primeira pessoa é completamente escancarada, sem rodeios, sem preconceitos, sem tabus e de forma bem escrachada, essa mulher conta, nos pormenores, toda uma vida onde ela se entregou à luxúria sem medo nenhum ou arrependimentos.

Até hoje me espanta essa himenolatria. Era a honra da mulher, que horror. Ainda existe, sabia? E existe aos montes, é de cair o queixo, de vez em quando tomo um susto. (…)

Apesar de muitas pessoas cogitarem de que essa mulher seja real, tenho minhas dúvidas. Não sei explicar, mas a narrativa não me convenceu de que seja realmente uma mulher narrando essa história. Em diversos momentos senti que era um homem falando. Creio que o autor criou essa personagem e usou muito bem o texto para fazer diversas críticas. Críticas à igreja, à sociedade de um modo geral, à política, ao preconceito, tabus e uma infinidade de coisas. Enquanto a personagem sem nome (que eu batizei de Cersei Lanister) vai descrevendo suas aventuras sem nenhum pudor, ela também vai soltando “seu veneno” diante das coisas impostas pela sociedade.

Mas não era isto que eu estava dizendo, eu ia dizer que, se houvesse mesmo feminismo nesse país – feminismo sadio, não esta merda de querer ser melhor do que os homens e apenas assumir o papel de dominador, como se para descontar, burrice, burrice, uma tirania não justifica  outra, burrice -, levantariam uma estátua para Norma Lúcia, estabeleceriam uma Fundação Norma Lúcia, qualquer coisa assim.

A narrativa é rica em detalhes, hábitos e costumes de uma época e com toda certeza é uma escrita que escandalizou muito quando o livro foi lançado. Na verdade, ele escandaliza até hoje. Achei interessante a visão de liberdade que o autor passou no texto, não só no âmbito sexual, mas ser livre das amarras muitas vezes imposta pela sociedade hipócrita em que vivemos.

Ainda não sei definir se eu gostei ou não dessa leitura. Para um clássico ele é um belo livro. A escrita crítica do autor, a mensagem de liberdade que ele passa, a desconstrução dos tabus… Mas, acho que eu estava com grandes expectativas e esperando outra coisa da leitura. Creio que tenha sido por causa dos muitos elogios que tive sobre a obra. Enfim, é um ótimo livro, mas alguma coisa nele não me convenceu.

Total 0 Votes
0

Tell us how can we improve this post?

+ = Verify Human or Spambot ?

3.7 Clássico

Uma história criada para desconstruir conceitos, para incomodar e para fazer-nos pensar até onde é válido viver preso ao que a sociedade nos impõe.

About The Author

Nerd, Geek, viciada em livros, youtuber, aspirante a jornalista, apaixonada por animais e nas horas vagas tenta ser engraçadinha.