Linha 4 Amarela de Felipe S. Mendes

61

Com um ritmo bem frenético e um suspense de tirar o fôlego, a narrativa de “Linha 4 Amarela” prende o leitor do começo ao fim!

Sinopse

 

Um ataque terrorista no horário de rush no Metrô mais lotado da América deixa mais de 7 mil pessoas presas e soterradas a mais de 55 metros de profundidade!!

Agora imagine se a sua vida e de seus amigos dependessem da honestidade e rapidez do sistema político brasileiro!!!

Linha 4 Amarela é um livro extremamente diferente de qualquer outro que você já leu ou ouviu falar.

O grupo denominado SETE explode 7 bombas implantadas em drones em todas as saídas das Estações Paulista e Consolação do Metrô, o local onde no horário de pico passam mais de 240 mil pessoas por dia.

Após a explosão um vídeo na internet revela que eles têm exigências que devem ser cumpridas nas próximas 7 horas.

Se a cada hora uma exigência não for cumprida eles vão explodir as outras 7 bombas que estrategicamente estão infiltradas entre as vítimas do ataque.

O grupo SETE fere diretamente os 3 poderes, o que causa uma ambiguidade no público, pois o que os terroristas pedem são coisas que toda a população deseja, porém, seus métodos são extremamente peculiares.

Dentro da trama temos de um lado a população e pessoas “comuns”, de outro toda a intriga entre os políticos, principalmente entre Prefeito, Governador e Presidente e ainda a Agência Brasileira de Inteligência que tem um papel duplo, de defesa da segurança nacional sem expor os conluios por trás disso.

Em jogo além do funcionamento da maior metrópole da América latina estão ainda o jogo político e a vida de milhares de pessoas. Exatamente nessa ordem.

Link: Skoob | Comprar: Amazon (Ebook) – Lura Editorial (Físico) – Com Autor

Resenha

Não consigo recordar qual foi o último livro que me tirou o sono e que li tão rápido quanto esse livro do Felipe. Linha 4 Amarela tem um ritmo tão envolvente e um mistério tão gostoso que não consegui desgrudar os olhos até acabar, o que me levou a ir dormir às 3:30h da madrugada…

A trama se passa em São Paulo. Um grupo de terroristas que se autodenominam Sete, explodem 7 bombas nas entradas e saídas do metrô das estações Consolação e Paulista, deixando mais de 7 mil pessoas presas e soterradas a mais de 55 metros de profundidade. Desespero, mortos e feridos. Homens, mulheres e crianças fazem parte desse cenário de horror, à mercê da boa vontade de políticos que não estão lá muito satisfeitos com as exigências do grupo comandando por “Mãe”. Depois dessa primeira explosão, um vídeo foi publicado, com as 7 exigências que precisam ser cumpridas no decorrer de 7 horas. Caso o prefeito, governador e presidente não aceitem, uma nova explosão acontecerá a cada hora, matando milhares de pessoas inocentes.

Já na primeira exigência do grupo, o governo se recusa a aceitar, informando que não negociará com terroristas. A vida daquelas 7 mil pessoas depende de uma decisão dos representantes do povo, que pelo visto estão mais preocupados com seus próprios umbigos. O tempo está passando e as “surpresas” só aumentam… Será que essas vidas serão salvas? Quem é a tal Mãe?

A trama é atual e aborda bem o nosso cenário político. Corrupção, troca de favores, sujeira debaixo do tapete, políticos que só pensam nos seus próprios interesses e uma teoria da conspiração maravilhosa. O fato da história se passar no Brasil, aproxima muito o leitor da narrativa e é impossível não sentir-se inserido nela. Preciso ressaltar que o autor foi extremamente feliz com a fantástica ideia de colocar nomes com uma sonoridade bem semelhante aos nomes reais de figuras conhecidas, sem realmente “dar nome aos bois”. Achei isso maravilhoso e dei muita risada!

O enredo é extremamente envolvente. A mudança temporal e de visão dos personagens deixa a narrativa com um ritmo bem acelerado, impulsionando o leitor a continuar a leitura pra saber o que vem a seguir, desvendar os mistérios e descobrir se uma nova explosão ocorrerá. São muitos personagens que aparecem e reaparecem na história e é preciso que o leitor fique bem atento à isso pra não se perder no meio do caminho.  Tudo acontece rápido e num piscar de olhos as coisas podem mudar. Como já falei antes, o ritmo é frenético, dando um realismo à angústia provocada pela espera por respostas e o “tempo passando”, imposto pelos terroristas. O clima de tensão está presente do começo ao fim.

Pouquíssimas coisas me incomodaram na trama. Uma delas foi o desenvolver psicológico da personagem Layla, que senti  falta de uma carga dramática emocional maior diante de todas as coisas que aconteceram na vida dela, mas nada que tire o brilho da história. O que realmente me fez não dar cinco estrelas para o livro (e o que me deixou com vontade de matar o autor) foi o final dele… Eu sei que a obra tem continuação (é o primeiro de uma trilogia) e o ponto onde Felipe decidiu parar, foi justamente onde fiquei mais curiosa! Isso não se faz com um leitor e agora eu preciso do segundo livro pra saber o que diabos irá acontecer!

Linha 4 Amarela é daquelas leituras que te deixam com um frio na barriga e apreensão do começo ao fim. Uma leitura fluida, envolvente e que nos faz pensar em diversas coisas como o valor da vida, nossas escolhas e a consequência dos nossos atos (ou a falta dele). Leitura mais do que recomendada para quem curte um bom thriller policial e muito rock and roll (todo mundo curte um rock no livro)!

 

Total 0 Votes
0

Tell us how can we improve this post?

+ = Verify Human or Spambot ?

4.5 Thriller

Com um ritmo bem frenético e um suspense de tirar o fôlego, a narrativa de "Linha 4 Amarela" prende o leitor do começo ao fim!

About The Author

Nerd, Geek, viciada em livros, youtuber, aspirante a jornalista, apaixonada por animais e nas horas vagas tenta ser engraçadinha.