Um Casamento Americano de Tayari Jones

127

Durante toda a minha leitura, oscilei entre 3 sensações: injustiça, traição, raiva. Tayari Jones aborda o tema “racismo” de uma forma tão crível que só quem desde o nascimento enfrenta essa realidade, consegue escrever.

Sinopse

Os recém-casados Celestial e Roy são a personificação do sonho americano e do empoderamento negro. Mas um dia os dois são separados por circunstâncias imprevisíveis: Roy é condenado a doze anos de prisão por um crime que Celestial sabe que ele não cometeu.

Mesmo impetuosa e independente, Celestial é dominada pelo desamparo e busca conforto nos braços de um amigo de infância.

Quando a condenação de Roy é anulada repentinamente depois de cinco anos, ele sai da prisão pronto para retomar a vida com a esposa.

Um casamento americano lança um olhar perspicaz ao coração e à mente de três pessoas unidas e separadas por forças além do seu controle, e que precisam lidar com o passado enquanto seguem – com esperança e dor – em direção ao futuro.

Resenha

Preciso começar a resenha dizendo que essa é uma leitura extremamente desconfortável. Não, o livro não é ruim, tanto que dei 4 estrelas. É propositalmente desconfortável, visto que toda a narrativa aborda assuntos polêmicos e nada bonitos. Racismo e o sistema prisional dos Estados Unidos são os temas principais desta obra, porém, no meio do caminho são levantados outros temas tão complexos quanto.

Roy, Celestial e Andre são os protagonistas e a narrativa é intercalada entre os pontos de vista deles. Sim, estamos diante de um triângulo amoroso e isso não é um spoiler. Fica bem nítido desde o início. Celestial é casada com Roy e Andre é o seu melhor amigo. O casamento de Roy e Celestial não me convenceu. Ficou bem claro (para mim) que ela não vive bem aquela realidade. Na verdade, Celestial é um personagem extremamente egoísta e a visão de “mulher empoderada” que a autora tentou passar, não colou comigo. A achei muito egocêntrica, mimada e sem muito senso de companheirismo. 

É difícil falar sobre o que achei da leitura sem dar spoilers. Não gostei de Celestial e menos ainda de Andre. Roy foi uma vítima em vários momentos e isso me despertou inúmeros sentimentos incômodos. Toda a leitura me causou essa sensação… Não só pelas escolhas feitas pelos personagens, mas pelos temas abordados. Machismo, aborto, racismo, preconceitos, egoísmo, traição… Não sou (e jamais serei) a favor de uma pessoa permanecer em um casamento por obrigação ou por pena, porém, existem formas de sair dessa relação que não sejam “punhaladas pelas costas”. Essa foi a sensação mais marcante que senti: a traição de quem menos esperamos.

Bom, a narrativa é super envolvente e só o fato dos personagens me causarem tanto asco, já mostra como a autora conseguiu desenvolver bem os mesmos. Quem disse que os protagonistas precisam ser amados? Odiei Celestial por suas escolhas errôneas e isso me fez amar a leitura. Outro ponto que me fez adorar a narrativa foram as cartas. Sim, é uma narrativa que intercala a narração da forma comum que conhecemos com a história contada através de cartas. E, meus amigos, o leitor fica preso no enredo, querendo saber o que vai acontecer, apesar do final ter sido bem previsível.

Um casamento americano não é um livro agradável à todos. É repleto de drama, com uma narrativa incômoda em diversos sentidos e momentos, e tão cheia de nuances que pode deixar alguns leitores entediados. Particularmente adorei o livro e recomendo para quem gosta de drama e para aqueles que querem conhecer mais de uma realidade vivida por milhares de negros que sofrem o preconceito desde o momento em que abriram seus olhos pela primeira vez.

Total 0 Votes
0

Tell us how can we improve this post?

+ = Verify Human or Spambot ?

4.5 Drama

Durante toda a minha leitura, oscilei entre 3 sensações: injustiça, traição, raiva. Tayari Jones aborda o tema "racismo" de uma forma tão crível que só quem desde o nascimento enfrenta essa realidade, consegue escrever.

About The Author

Escritora, Geek, amante dos livros, youtuber, apaixonada por animais e não larga uma xícara de café.