xXx: Reativado – Resenha

669

No estilo do politicamente incorreto, e do mocinho bad boy, esse é um filme repleto de ação e adrenalina.

Com direção de D.J. Caruso (diretor de séries – o melhor episódio de Smalville da primeira temporada – e de filmes, especialmente no estilo ação/aventura), xXx Reativado traz uma trama cheia de espionagem e esportes radicais. Como é o terceiro filme da série (e o melhor – o segundo foi um fiasco), ele traz a volta de Xander Cage (Vin Diesel) como protagonista em muita boa forma, para o suspiro das mulheres. Apesar de ter sido dado como morto no segundo filme da série, Xander forjou a própria morte para sair do programa xXx e viver como nômade pelo mundo.

Entretanto, a primeira aparição do filme (spoiler?) é do Augustus Eugene Gibbons, criador do programa xXx, numa breve e precisa atuação de Samuel L. Jackson. E para a surpresa de todos (ou não) numa cena onde ele convence ninguém menos do que o jogador Neymar a entrar para o radical programa de espionagem.

neymar-e-vin-diesel-triplo-x

Personalidades inusitadas?

Tá, você pode até achar estranho a aparição de Neymar, ou como uma jogada de marketing, mas, não foi a única. O elenco é pra lá de eclético, e inclui uma atriz indiana (Deepika Padukone) e um cantor de k-Pop (Kris Wu). Se eles não acrescentam tanto no quesito interpretação ou habilidades do personagem, o mesmo não pode ser dito das duas grandes surpresas da produção, o chinês Donnie Yen (O Grande Mestre) e o tailandês Tony Jaa (Ong Bak). Esses dois últimos praticamente roubaram a cena devido ao grande nível nas coreografias de artes marciais, em minha opinião elevou a qualidade do filme e eles deveriam ser mais convidados para filmes ocidentais. As outras atuações não devem ser tão criticadas, devido ao próprio clima descontraído do filme (e da série), ou seja, eles se encaixam bem na trama e estilo.

A história gira em torno do roubo de um artefato denominado “caixa de pandora” que supostamente conectaria o usuário a todos os satélites do mundo. Claro que isso daria acesso a informações de todos os países. Essa “briga” por informação é tema antigo e que dá pano pra manga. Contudo, parece ser apenas um pretexto para o desenrolar da ação, que é o grande foco do filme. Críticas ao roteiro à parte, o recado foi claramente dado: “parem de bisbilhotar a vida das pessoas”.

Um filme radical, leve e cheio de ação, ingredientes para diversão e algumas risadas. Vale a pena? Claro!

Total 0 Votes
0

Tell us how can we improve this post?

+ = Verify Human or Spambot ?

3.5

No estilo do politicamente incorreto, e do mocinho bad boy, esse é um filme repleto de ação e adrenalina.

About The Author

Nerd, Geek, viciada em livros, youtuber, aspirante a jornalista, apaixonada por animais e nas horas vagas tenta ser engraçadinha.