Miniconto | Entre um Dó e um Lá

126

Foi entre um Dó e um Lá que me apaixonei. Aquela figura magnífica, sentada com o corpo debruçado sobre o piano, os longos dedos acariciando as teclas delicadamente, como se as mesmas fossem as curvas da sua amante, os olhos fechados, totalmente entregue à melodia, me hipnotizou. A imagem mais bela que já vi na vida. Não esquecerei jamais a sensação que aqueles Dós, Rés e Mis me causaram, arrepiando minha pele e impregnando minha alma com a melodia forte e doce que chamei de amor. Bela e triste.

Ele ficou marcado em meu peito, tatuado com ferro em brasa, enterrado nas profundezas do meu coração. Um sentimento tão lindo, taxado como repulsivo, vergonhoso; pecado, errado, nojento… para mim é apenas puro e certo, mas tenho consciência de que jamais será correspondido.

A música me levou até ele, naquele inverno gelado num metrô lotado. Desde então passou a ser o toque do meu celular, me acordando todos os dias com as notas agridoces da canção que se transformou em meu paraíso infernal. É uma tortura a qual não quero me livrar jamais. Aquela perfeição de homem tornou-se meu professor e depois o meu melhor amigo.

A música me salvou no momento em que tomei coragem para me declarar e o vi se apaixonar pela mulher linda e doce, que aprendi a amar por ele. Tudo que eu faço é por ele, para ele. Minhas composições me salvam quando mergulho nos momentos de dor e desespero por não receber aquele olhar apaixonado do meu amado. Ele me ama, eu sei, mas de um jeito diferente, como um amigo, um irmão. E isso dói, mas me conforta também. Prefiro esse amor a nada.

A música é o elo mais profundo que nos une. É onde eu posso me derramar em amor por ele. Onde eu posso, em um mundo só meu, sonhar com seus beijos e carícias; onde me declaro, sem medo dos olhares tortos, preconceito ou rejeição.

Aquele Dó foi o início de tudo e compomos juntos uma melodia única. Não o tenho como amante, mas seu amor incondicional de amigo me basta.  Nossa melodia é formada de notas, acordes, tempos e sentimentos.

Hoje sou eu quem se desmancha sentado em frente ao piano, transformando meu amor em canções para embalar corações apaixonados. E assim eu sigo criando amor…

Total 0 Votes
0

Tell us how can we improve this post?

+ = Verify Human or Spambot ?

About The Author

Escritora, Geek, amante dos livros, youtuber, apaixonada por animais e não larga uma xícara de café.