Miniconto | Resgate

148

O corpinho moribundo caminhava pela pista, alheio ao perigo iminente. Os carros, desviavam como podiam daquele emaranhado de pelos, evitando um acidente e seguiam buzinando, irritados.  

Pensei em ajudar, parar os carros e retirá-lo dali, mas estava paralisado, dividido entre o desejo de salvá-lo e o de me jogar na frente de um daqueles veículos como já havia decidido. Eu acompanhava tudo com o coração acelerado, morrendo de medo de presenciar um atropelamento.  

Por sorte, a bola marrom cheia de dreadlocks virou para o lado e, com muito custo, passou a arrastar o corpinho pela calçada. Cambaleante, encontrou uma manga, metade das carnes dentro da casca, metade uma meleca gosmenta espalhada pelo chão. Me arrepiei, a imagem me fazendo lembrar da massa encefálica escorrendo por esse mesmo asfalto, dias atrás. 

O pobre cão cheirava a fruta, espantando as pequenas moscas e espirrou, retorcendo o focinho de um jeito engraçado. Desistiu de comer aquilo e continuou a cambalear em minha direção. Eu permaneci em pé, segurando o portão semi aberto, sem saber o que fazer. Minha vontade era de salvá-lo, mas meu cérebro repetia o tempo inteiro que aquela não era a minha casa, que a verdadeira dona odeia animais e que agora eu sou um sem teto como ele. 

O vira-latas chegou com dificuldade onde eu estava e desmaiou em meus pés. Sem pensar, o peguei no colo não me importando com a lama em seus pelos e corri para dentro com ele. Tinha a impressão dele ser mais pesado, mas era como carregar uma pluma de tão leve. Ele fedia e ao abrir os olhinhos pude ver uma membrana branca cobrindo-os. Era cego. Meu coração afundou no peito. 

Devagar, depositei o pequeno no chão e preparei um prato com as sobras do almoço: peito de frango desfiado com arroz. Ao lado coloquei uma tigela com água. Ele comeu tudo em menos de dez segundos e tomou toda a água.

― Não consigo te colocar de volta na rua. ― sussurrei, os olhos cheios de lágrimas. ― Mas o que eu posso fazer? Não tenho como te abrigar aqui. Eu mesmo não tenho mais casa…

Acariciei seu corpinho estendido no chão e ele abanou o rabo. Com dificuldade ergueu a cabecinha e lambeu minha mão. Desatei a chorar, desesperado. Meu celular começou a tocar, olhei no visor e o nome da Duda piscava, um milagre dos céus. Atendi esperançoso, ela é a única pessoa que poderia salvar este cãozinho.

― Eu preciso da sua ajuda. ― falei, sem dar chance dela sequer dizer um olá.

― Resgatou outro cachorro, Ricardo? ― perguntou, zombeteira.

― Sim… 

― Você não tem jeito! ― sorriu. ― Traga ele para a clínica e aqui conversamos. ― desligou e eu me apressei em  chamar um carro pelo aplicativo.

― Vamos garoto, sem querer você acabou de me salvar.

Respirei fundo deixando de lado a ideia de acabar com a minha vida para salvar aquele pequenino, tão maltratado quanto eu.

Total 0 Votes
0

Tell us how can we improve this post?

+ = Verify Human or Spambot ?

About The Author

Escritora, Geek, amante dos livros, youtuber, apaixonada por animais e não larga uma xícara de café.